Source files of fsfe.org, pdfreaders.org, freeyourandroid.org, ilovefs.org, drm.info, and test.fsfe.org. Contribute: https://fsfe.org/contribute/web/ https://fsfe.org
You can not select more than 25 topics Topics must start with a letter or number, can include dashes ('-') and can be up to 35 characters long.
 
 
 
 
 
 

17 lines
2.3 KiB

<?xml version="1.0" encoding="UTF-8" ?>
<html>
<head>
<title>What is DRM? | Digital Restrictions Management (Gestão Digital de Restrições)</title>
</head>
<body>
<h1>O que é a GDR (DRM)?</h1>
<div class="inner-content">
<p>Gestão Digital de Restrições (GDR) -- Digital Restrictions Management (DRM) -- é qualquer tecnologia incluída num produto ou serviço electrónico com a finalidade de restringir o leque de possibilidades de utilização do mesmo após a compra. A GDR é concebida para impedir os consumidores de usarem a tecnologia digital de formas que não estejam em linha com o modelo de negócio do fornecedor de conteúdos ou do fabricante do aparelho.</p>
<p>As tecnologias deste tipo restringem frequentemente o direito das pessoas fazerem coisas perfeitamente legais -- poderemos não conseguir juntar a nosso modo um conjunto de ficheiros de música que comprámos legalmente, ou emprestar um livro electrónico a um amigo. Até as cópias de segurança podem ser restringidas. As tecnologias de gestão de restrições retiram-nos direitos e liberdades básicos no mundo digital. Todos os sistemas de GDR (DRM) têm uma coisa em comum: dão às empresas o controlo sobre coisas que deveriam ser controladas pelos seus proprietários. Por exemplo, as empresas impedem-nos de decidir a frequência com que queremos ver os filmes que comprámos e de decidir que tipo de ficheiros podemos ler nos nossos leitores de livros electrónicos.</p>
<p>Mesmo que encontremos forma de contornar as tecnologias GDR (DRM) e libertarmo-nos dessas restrições, a Directiva Europeia Sobre os Direitos de Autor na Sociedade de Informação põe-nos em situação ilegal. Esta Directiva e as leis nacionais similares ajudam a preservar os modelos de negócio ultrapassados dos editores (de notícias, literatura, música, filmes, etc.), limitando, por exemplo, o direito à cópia privada, num mundo onde, virtualmente, toda a gente tem vários aparelhos e dispositivos de base informática.</p>
<p>Na verdade, os bens electrónicos são frequentemente intencionalmente concebidos para funcionarem de forma defeituosa, isto é, para não fazerem tudo o que a sua tecnologia de base permitiria naturalmente fazer, impedindo utilizações que eram totalmente incontroversas antes do progresso tecnológico ter dado às empresas os meios para as impedirem.</p>
</div>
</body>
</html>